Astrologia zodiacal: o simbolismo como fundamento da cosmologia

  • Bruno Bertolossi de Carvalho Universidad de Caldas

Resumen

Este estudo é uma contribuição para a pesquisa antropológica sobre a astrologia zodiacal, apresentando uma reflexão sobre as consequências lógicas do simbolismo como pressuposto metafísico. Tal ideia impõe um tipo específico de fundamentação do sistema astrológico e que este desempenhe o papel de base da cosmologia pressuposta pelos astrólogos diante de qualquer objeto. Acompanhando um trabalho de campo sobre o tema, este artigo se concentra na justificação de sua hipótese através de entrevistas com três astrólogos, orientado metodologicamente por uma concepção hermenêutica da antropologia.

  • Citas

    Barros, Rui (1989). O espelho partido: astrologia & psicopatologia: a possibilidade de diagnóstico e prevenção. São Paulo: Ágora.

    Bergson, Henri (2005). Cursos sobre a filosofia grega. São Paulo: Martins Fontes.

    Costa, María Elizabeth (2007). Os signos do Zodíaco como um sistema de classificação. Textos escolhidos de cultura e arte populares. Rio de Janeiro, v. 4, n.° 1, pp. 39-48.

    Defrance, Philippe (1972). A astrologia erudita. In: Morin, Edgar. Defrance, Philippe., Fischler, Claude & Petrossian, Lena. O retorno dos astrólogos: diagnóstico sociológico. Lisboa: Moraes.

    Durkheim, Emile (2008). As formas elementares de vida religiosa. São Paulo: Paulus.

    Durkheim, Emile & Mauss, Marcel (1998). Algumas formas primitivas de classificação. In: Rodrigues, J. A. (Org.) Emile Durkheim: sociologia. São Paulo: Ática.

    Geertz, Clifford (1989). A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC.

    Giacoia Junior, Oswaldo (2013). Heidegger urgente: introdução a um novo pensar. São Paulo: Três Estrelas.

    Lévi-Strauss, Claude (1989). O Pensamento Selvagem. Campinas: Papirus.

    Lévi-Strauss, Claude (1980). Totemismo hoje. Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural.

    Magnani, José Guilherme (1999). Mystica Urbe: um estudo antropológico sobre o circuito neo-esotérico na metrópole. São Paulo: Studio Nobel.

    Martins, Roberto (1995). A influência de Aristóteles na obra astrológica de Ptolomeu (O Tetrabiblos). Trans/Form/Ação. São Paulo, 18: 51-78.

    Morin, Edgar, Defrance, Philippe, Fischler, Claude & Petrossian, Lena (1972). O retorno dos astrólogos: diagnóstico sociológico. Lisboa: Moraes.

    Pinheiro, Marcus. Determinismo, liberdade e astrologia nos Estóicos. História, imagem e narrativas. N° 10. Abril / 2010.

    Rapport, Nigel & Overing, Joanna (2000). Social and Cultural Anthropology: the key concepts. New York: Routledge.

    Van De Beuque, Guy (2004). Experiência do nada como princípio do mundo. Rio de Janeiro: Mauad.

    Vilhena, Luíz Rodolfo (1990). O mundo da astrologia: estudo antropológico. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

    Viveiros De Castro, Eduardo (1996). Cosmologia. In: BONTE, P. & IZARD, M. (Org.) Diccionario de Etnología y Antropología. Madrid: Akal.
Publicado
2018-02-12
Sección
Artículos resultado de investigación