De la fiebre gay al sexo Barebacking: sida, biopolitica y el riesgo para la salud

  • Paulo Sergio Rodrigues de Paula Universidade Federal de Santa Catarina
  • Mara Coelho de Souza Lago Universidade Federal de Santa Catarina
Palabras clave: SIDA, sexo barebacking, riesgo biopolítica, riesgo, salud pública

Resumen

En el presente artículo buscaremos problematizar cuestiones pertinentes al virus del SIDA, entre ellas, la fiebre gay como metáfora, el sexo seguro y el preservativo como un instrumento biopolítico, la deshomosexualización de la epidemia, y riesgo para la salud, finalizando con el sexo barebacking. Estas discusiones se vuelven relevantes, principalmente en un momento en que las cuestiones como riesgos, control y medicalización de la salud se constituyen en temas importantes de la actualidad y la historia del virus del SIDA que pueden contribuir significativamente para el fomento de este tipo de reflexiones. Creemos que a pesar de que existen “estilos de vida, elecciones y conductas individuales que pertenecen al ámbito privado” que constituyen datos que han de ser explicados cuando se habla de etiología social de las enfermedades y de la normalización de las conductas y de los estilos de vida, son parte del nacimiento de la propia medicina social; la existencia de las fronteras de lo público y de lo privado, que convierten las políticas de salud pública en intervenciones coercitivas, sobre la vida privada de sujetos considerados promiscuos, alienados, o simplemente irresponsables, deberían reconsiderarse, porque existen condiciones de vida que son impuestas y no seleccionadas y las características que configuran esa imposición deben ser consideradas cuando se hace una programación de políticas públicas de salud.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.
  • Referencias

    Almeida Filho, N. de. (1992). A desconstrução do conceito de risco. PHYSIS: Revista de saúde Coletiva, 3 (1): 33-54

    Almeida Filho, N. de (s/d). “O homem dos riscos”. Disponível: . Acesso em Janeiro de 2008.

    Antunes, M. C. (2007). Territórios de vulnerabilidade ao HIV; homossexualidades masculinas em São Paulo. Tese. USP. [on line] São Paulo. Disponível: < http://www.teses.usp. br/teses/disponiveis/47/47134/tde-15032007-115747/>. Acesso em Janeiro 2008.

    Araujo, I. de L. (2008). Foucault e acrítica do sujeito. Curitiba, Editora da UFPR.

    Arouca, S. (2003). O dilema preventivista. Contribuição para a crítica da medicina preventiva. São Paulo:Editora UNESP; Rio de Janeiro: Editora Fiocruz.

    Ayres, José Ricardo C.M. et. AL. (1997). Vulnerabilidade e AIDS: para uma resposta social a epidemia. Boletim Epidemiológico CRT- DST /AIDS – CVEAno XV – n°3 – São Paulo: CRT- DST /AIDS.

    Bagrichevsky, M. Do ‘corpo saudável’ que se (dês) constitui: imperativo moralizante rumo à saúde persecutória?. (2007). Disponível: >. Acesso em maio de 2007.

    Bessa, M. S. (1997). Histórias positivas: a literatura (dês) construindo a AIDS. Rio de Janeiro: Record. Boletim Pela Vida. (2006), Ano XVI, n° 42. São Paulo.

    Brasil. Ministério da Saúde. (2008). Política Nacional de Saúde Integral de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais – LGBT. Documento preliminar em consulta pública de 20/06/2008 a 30/07/2008.

    Brasília: Ministério da Saúde. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e AIDS. (2006a). Boletim Epidemiológico- AIDS e DST. Ano III n°01 -01° a 26° semanas epidemiológicas – janeiro a julho de 2006. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e AIDS. Brasília: Ministério da Saúde. Disponível:. Acesso em novembro de 2008.

    Brasil. Ministério da Saúde.(2006b) Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e AIDS. Boletim Epidemiológico- AIDS e DST. Pesquisa de Conhecimento, atitudes e práticas na população brasileira de 15 a 54 anos, 2004. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e AIDS. Brasília: Ministério da Saúde. Disponível: . Acesso em novembro de 2008.

    Brasil. Ministério da Saúde. Saúde da população de gays, lésbicas, bissexuais, travestis e transexuais:Documento elaborado para subsidiar o debate sobre a Saúde da População GLBTT na Conferência Nacional de Gays, Lésbicas,

    Bissexuais, Travestis e Transexuais, apresentando aposição do Ministério da Saúde. (2008). Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa/Departamento de Apoio à Gestão Participativa.
    Brasília – DF. Disponível: . Acesso em outubro de 2008.

    Brasil. Ministério da Saúde. (2008).Política Nacional de Saúde Integral de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais – LGBT. Documento preliminar em consulta pública de 20/06/2008 a 30/07/2008. Brasília/DF. Disponível: Acesso em outubro de 2008.

    Brasil. Ministério da Saúde. (1996) Relatório Final da 8° Conferencia Nacional de Saúde. Brasília/DF, 19 a 21 de março de 1986. Disponível em: _ nac _ rel.pdf%20>. Acesso em janeiro de 2009

    Butler, J. (2008). Inversões sexuais. In: Isabel C. Friche Passos (Org.). Poder, normalização e violência. Belo Horizonte: Autêntica.

    Cáceres, C. (2004). “ A epidemiología, el sida y la sexualidad: las persistentes brechasentre la policía sanitaria y la promoción de la ciudadanía ensalud sexual” . In: Cáceres, Carlos F. et al.Ciudadanía Sexual en América Latina: Abriendo el Debate. Lima: U Peruana Cayetano Heredia. Disponível:. Acesso em dezembro de 2008

    Caponi, S. (2003). “A saúde como abertura ao risco”. In: Dina Czeresnia; Carlos Machado de Freitas. (Org.). Promoção da Saúde (conceitos, reflexões, tendências). p. 55-77. Rio de Janeiro: Fiocruz.

    Castiel, L. D. (1999). A medida do possível...saúde, risco e tecnobiociências. Rio de Janeiro: Fiocruz.

    Castiel, L. D.; Diaz, Alvarez-Dardet, C. (2004). A saúde persecutória: os limites da responsabilidade. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz

    Daniel, Herbert. (1994). Vida antes da Morte. Rio de Janeiro: ABIA

    De Paula Rodrigues, P. S. (2010). Barebacking sex: a roleta russa da AIDS? Sexualidade, sexo e risco na mídia impressa e na internet. Rio de Janeiro: Multifoco Editora.

    Foucault, M. (1997). Historia da Sexualidade: a vontade de saber, tradução de Maria Thereza da Costa e Jose Augusto Guilhon Albuquerque. 12 ° Edição. Rio de Janeiro: Graal.

    Foucault, M. (1999 a) Verdade e poder. In: Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Graal.

    Foucault, M. (1999). A verdade e as formas jurídicas. Rio de Janeiro: Nau Editora.

    Foucault, M. (2005). Em defesa da sociedade; curso no College de France (1975-1976); tradução Maria Ermantina Galvão. São Paulo: Martins Fontes.

    Foucault, Michel. (2006) A Hermenêutica do sujeito. Edição estabelecida sob a direção de François Ewald e Alessandro Fontana, por Frédéric Gros: tradução Marcio Alves da Fonseca, Salma Tannus Muchail- 2° Ed. – São Paulo: Martins Fontes.

    Foucault, M. (2007 a) Historia da Sexualidade II: O uso dos prazeres, tradução de Maria Thereza da Costa e Jose Augusto Guilhon Albuquerque. 12 Edição. Rio de Janeiro: Graal.

    Foucault, M. (2007 c) A ordem do discurso. Aula inaugural proferida ao assumir a cátedra no Collège de France, em 02 de dezembro de 1970. São Paulo: Edições Loyola.

    Gondim, R. et al. (2000). Homo/ bissexualidade masculina: um estudo sobre praticas sexuais desprotegidas em Fortaleza. In: revista Brasileira de Epidemiologia, Vol 3, n°1-3, São Paulo. Abril/Dezembro. Disponível:< http://www.scielo.br/pdf/rbepid/v3n1-3/05.pdf.>. Acesso em abril de 2008.

    Macrae, E. (1980). Identidade sexual e política no Brasil da abertura. Campinas: Editora Unicamp.

    Macklin R. (2003). “Bioética, vulnerabilidade e proteção”. In: Garrafa V, Pessini L, orgs, p. 59-70. Bioética: Poder e Injustiça. São Paulo: Loyola.  

    Miskolci, R. (2008). Estética da existência e pânico moral. In: Margareth Rago, Alfredo Veiga-Neto. Figuras de Foucault. Belo Horizonte: Autêntica, p. 227-238.

    Mott, L. (2002). “Evolução da ideologia e posicionamento dos homossexuais face à transmissão do HIV/AIDS no Brasil”. In. Brasil, Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde, p. 26-36, Coordenação nacional de DST/AIDS. Programa de Cooperação Técnica Brasil-França: Seminário Anual 2001: Novos desafios da prevenção da epidemia pelo HIV/AIDS junto aos homens que fazem sexo com homens. Brasília: Ministério da Saúde.

    Nogueira Passos, R. (2003). “Da medicina preventiva à medicina promotora”. In: Arouca, S. O dilema preventivista: contribuição para a compreensão da medicina Preventiva, p. 175-182. São Paulo/ Rio de janeiro: Editora UNESP/Editora Fiocruz.

    Parker, R. (1994). A construção da sexualidade: AIDS, sexualidade e política no Brasil. Rio de Janeiro: ABIA/UERJ/ Relume-Dumará.

    Perlongher, N. (1987). O que é AIDS. São Paulo: Brasiliense

    Pedrosa Filho, F. Xavier R. (2004). Políticas de prevenção das DST/HIV/AIDS para homossexuais masculinos: a trajetória da construção de uma resposta à epidemia de AIDS. Dissertação de Mestrado. Centro de Humanidades e Centro de Estudos Sociais Aplicados. Mestrado em Políticas Públicas e Sociedade. Universidade Estadual do Ceará: Fortaleza.

    Porto Firpo de Souza, M. (2007). Uma ecologia política dos Riscos: Princípios para integrarmos o local e o global na promoção da saúde e da justiça ambiental. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz.

    Queiroz, A. (1999). Foucault: o paradoxo das passagens. Rido de Janeiro: Pazulin Editora.

    Rofes, E. (1999). Barebacking and the new aids hysteria AIDS: Leaders Defame Gay Men, Misread Data, and Demand a Crisis Mentality. Is It Any Wonder Gay Men Are Tuning Them Out? Disponível: . Acesso em agosto de 2009.

    Rossi, L. (2002). Guia de Prevenção das DST/AIDS e Cidadania para Homossexuais. Ministério da Saúde, Secretaria de Políticas de Saúde, Coordenação Nacional de DST e AIDS

    Seabra Santos, N. J. et ali. (2002). A AIDS no Estado de São Paulo. As mudanças no perfil da epidemia e perspectivas de vigilância. In: Revista Brasileira de Epidemiologia, Vol. 5, n°3 São Paulo Dezembro de 2002. Disponível: < http://www.scielo.br/pdf/rbepid/v5n3/07.pdf>. Acesso em maio de 2009.

    Saraiva Menesca, J. E. (2002). Prazer do Consumo ou consumo do prazer? In: Revista Mal Estar e Subjetividade. Fortaleza, Vol. II, n° 1, p. 129-10.

    Showalter, E. (1993). Anarquia Sexual: sexo e cultura no fin de siécle. Rio de Janeiro: Rocco

    Santos Souza, B. (1999). Introdução a uma ciência pós-moderna. Rio de Janeiro: Graal

    Shernoff, M. (2005). “The Sociology of Barebacking”. In:The Gay & Lesbian Review Worldwide,V. XII, No. 1 (pp. 33-35), January- February 2005. Disponível: . Acesso em Setembro de 2007.

    Sowadsky, R. (2009). Barebacking in the Gay Community. June 19, 2009. Disponível: . Acesso em julho de 2009.

    Sontag, S. (1984). A doença como metáfora. São Paulo: Graal.

    Sontag, S. (1989). AIDS e suas metáforas. São Paulo: Companhia das Letras.

    Terto Jr., V. (2002). Homossexualidade e saúde: desafios para a terceira década de epidemia de HIV/AIDS. Horiz. Antropol, Porto Alegre, v. 8, n. 17, June 2002. Disponível: . Acesso em 21 fev. 2009.

    Terto Jr., V. (1999). Polêmica: Questões para um sexo mais seguro. Disponível: Acesso em dezembro de 2007.
Publicado
2013-12-31
Cómo citar
Rodrigues de Paula, P., & Coelho de Souza Lago, M. (2013, diciembre 31). De la fiebre gay al sexo Barebacking: sida, biopolitica y el riesgo para la salud. CIENCIAS SOCIALES Y EDUCACIóN, 2(4), 43-67. Recuperado a partir de https://revistas.udem.edu.co/index.php/Ciencias_Sociales/article/view/786
Sección
Artículos resultado de investigación